terça-feira, 7 de julho de 2009

Sobre ser calorento.

Se tem uma coisa que eu não gosto de ser é calorento. Não é foi algo opcional, eu não tive a menor voz ativa nessa escolha, eu simplesmente um dia, cheguei ao mundo assim, suando. Se eu pudesse adentrar o além e dar somente um conselho aqueles que por aqui chegarão, diria para sentirem frio, muito frio. Aqui nesta terra brasilis, onde a temperatura média varia entre muito calor pra calor extremo, os tais calorentos feito eu, sofrem. E muito!
É muito mais fácil sentir frio. Você está em algum lugar e ao sentir frio, prontamente pega o seu casaco - porque há de ter um sol transformando concreto em frigideira, um friorento legítimo sempre tem um casaquinho escondido – e resolve seu problema. Você está indo dormir e está com frio. O que você faz? Pega um lençol, uma colcha, um edredom, um cobertorzinho e no último nível, um daqueles cobertores de lã cheio de fiapos que ao entrar em contato direto com a pele, funciona quase como pó-de-mico, fazendo uma coceira daquelas. Mas e se ao invés de frio, você sente calor? Não há o que fazer de imediato, você precisa de uma série de aparatos técnicos para poder se refrescar.
E o que eu considero pior: você vira refém da coletividade. Até nisso o friorento se dá bem! Porque se você está num ambiente onde a maioria é calorenta, liga-se o ventilador, o friorento põe seu casaquinho e todo mundo fica feliz. Agora, se você está num ambiente em que a maioria é friorenta, as pessoas ao invés de pensarem na coletividade, pensam em si próprios, não querendo que se ligue sequer o ventilador, fazendo com que o friorento ria de orelha a orelha por estar naquela estufa, enquanto o calorento, coitado, sue que nem um bacon na chapa.
E parece que sempre haverá de ser assim: Enquanto um se mata de felicidade com as suas muitas dermes de algodão, resta ao outro suar e esperar sua morte seca e árida.

8 comentários:

Gabriel disse...

absurdo esses friorentos egoistas.
hahaha
adorei o desenho no paint!
abraço!

Felipe disse...

Muito bom o post, assunto de maior relevancia. Os calorentos coitados, vivem sofrendo com egoismo dos friorentos a sua volta. Proponho uma revolta contra isso. =)
abraços

oton disse...

Eu sou friorento! ^^
e adorei o artigo!

Emanuella disse...

Aiiiii adoreei morte a essas pessoas egoistas tipo aquele eterno infeliz 'andrógeno' que vive num frio dele e pertubando toda uma sociedade! Que haja uma revolução a favor dos calorentos, que liguem os ventiladores e ar condicionados!Muito bom o texto até que enfim pude le depois desse surto de hoje! =)

Clara disse...

Sou uma friorenta!
Mas não uma friorenta egoísta, me defendo agora.
Minha sala é um frigorífico, mas me limito a levar os meus casacos(em geral são dois) e fico numa boa.
Mas você, meu amor, está ferrado!
haha
Eu sugiro um daqueles ventiladores portáteis e ultra bregas. Mas que devem funcionar.

Giulia disse...

Hahahaha adooorei.
Isso me lembra o Federal.

Ótimo o desenho, voce que fez?

Beeeeeijos

Yke Leon disse...

Nem esse desenho de boneco-palito no Paint eu sou capaz de fazer!

Yke Leon

Deusa disse...

Eu sou friorenta de carteirinha. E digo que isso é tão ruim quanto ser calorento. Porque casaco não resolve. Se tem um ventinho gelado soprando no meu rosto, no dia seguinte amanheço com dor de garganta e nariz entupido. E aí são semanas até sarar. E quando lá fora está 30 graus, e eu entro numa sala que está a 20 graus, tchau saúde também. Casaco não resolve, ao menos não no meu caso. Mesmo porque eu espero o ano inteiro para chegar o verão e eu finalmente não precisar me agasalhar. Não adianta nada morar num país abençoado que faz calor se na sala que você está a temperatura está igual à do inverno.
Mas valeu o artigo. Tenho um irmão que é calorento, ele também sofre. Os dois extremos sofrem. A gente deveria ter nascido "normal", rsrsrs...