segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Saara!



Tem um ditado antigo que diz que todo homem precisa plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro, pra ter uma vida próspera. Se fosse só isso, a vida seria muito vazia. Até que plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho é uma oferenda bacana pra posteridade, mas não completaria o homem enquanto ser humano.
Por isso, eu acrescentaria ao ditado que evoluíssem também como pessoas. E evoluir como pessoa na atual sociedade é aprender a conviver com diferenças. Em todos os sentidos.
O problema é que, quando se aprende a conviver com as diferenças, a tendência é nos acostumarmos a elas. Mas na atual sociedade, a mesma que eu citei acima, não podemos nunca nos acostumar com essas desconformidades que nosso sistema capitalista cultivou ao longo dos anos.
É comum ver camelôs nas ruas, crianças pedindo e vendendo coisas, ou pior, roubando coisas. Idosos que deviam estar em casa recebendo aposentadoria, estão, muitas vezes doentes, trabalhando e ‘lutando’ pra conseguir viver com o mínimo da dignidade que se pode ter quando se leva uma vida dessas.
E toda essa diversidade é realidade no Saara. Ali, o pobre, o rico, a criança e o idoso se fazem presentes. Ali, é onde tudo acontece.
Passear pelo Saara é encontrar tudo o que se procura e até o que nem se sabe que existe. Saara é integração, é miscigenação.
Ali as lojas se equivalem. Uma ou aquela marca não tem mais peso, até porquê, ali se tem todo tipo de mercado consumidor.
Ali se vê todos os opostos. Ali tudo muda, é um universo particular.
Saara é também, o coração do Rio. Situada no centro da cidade, faz com que haja um sentimento de intimidade no coração de cada carioca.
E não tem como falar do Saara sem citar a sempre divertida Rádio Popular. Ali basta ter uma voz pra se fazer ouvir. Basta ter uma frase divertida que sua loja vira sensação. Não há quem caminhe pela Rua da Alfândega ou pela Senhor dos Passos – com todo direito a intimidade – e não se sinta possuído por aquele espírito alegre que sai daquela gente que mesmo com todos os motivos pra chorar... sorri.

4 comentários:

Helena W. Brandão disse...

gostei =)
eu gosto de andar no saara, realmente, há um integração entra as pessoas incrivel...
e sobre crescer como pessoas: é só isso que estamos precisando para nos tornarmos uma sociedade digna de elogios.

;*

Schmetterling disse...

Muito bom o texto.
Sensível e inteligente.

Adorei Yke.

Agora uma sugestão.

Revista Veja dessa semana(05/12). Pagina 116. É um artigo do Arnaldo Azevedo.

Nem vou dizer o titulo.

Acho que seria interessante se vc escrevesse alguma coisa sobre o assunto aqui.

Daria um bom texto. Alem disso, gostaria muito de saber sua opinião, se concorda, discorda ...enfim ...
eh isso. Beeijoos

Tatiana C. Mendes disse...

Nunca andei no Saara, mas muito bom o seu texto...

Então...

Tem um selo de “Elite” pra você aqui:
http://tomates-verdesfritos.blogspot.com/2007/12/blog-de-elite-234.html.

Abraços!

Luca disse...

Eu também nunca andei no Saara, mas acabastes de me sugerir um lugar para conhecer, quando eu for ao Rio.

ósculos