sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Gênesis

No princípio era ela. E todas as coisas dela vieram.
A água que lhe escorria pela face enchia o mundo. A ponta de seus dedos esculpiam os relevos, as rochas e as relvas. Seu sopro fazia crescer tudo que tinha vida. Não havia palavra que não saísse de sua boca.
Na medida que ria, dava brilho ao sol. No oposto, era a lua que se iluminava. Porque tudo nela era claro. Era de luz até sua escuridão.

6 comentários:

Beto Passeri disse...

Depois dizem que o msn é empobracedor, pura futilidade...olha quanta filosofia, quanta poesia.

Anônimo disse...

Maravilhoso!

George Luis disse...

Único.

Gabriela disse...

Pequeno, mas esclarecedor. Eu gostei :)

Emanuella disse...

É impressionate como ficamos pequenos quase nulos perto de algo que nos leva além da razão..!

Mestre dos Magos disse...

Concordo com a Emanuella, impressionante!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!