domingo, 4 de julho de 2010

Sua sombra

Acordei com inveja de tudo que vive em volta de você. Desse ar que você respira, incansavelmente, sem reclamar. Da destreza com que pega o garfo para comer e rompe a pureza da comida no prato. Daquele sapato que espera o dia todo para ser calçado por você e que deixa os outros todos sapatos morrendo de ciúme.
Acordei com inveja do travesseiro que coloca entre as pernas e do lençol que toda noite cobre o teu corpo. Da cadeira que você senta, da sua blusa preferida, do lápis que usa para escrever. Acordei invejando o telefone que cola no seu rosto e faz você sorrir. Como eu queria fazer você sorrir assim.
Hoje eu acordei com inveja daquela carta de amor que você guarda na caixa no fundo da gaveta e que sempre pega para lembrar. Acordei com inveja de todos os seus amores. E do brinco que você pendura na orelha como um troféu. E do colar que enfeita seu pescoço o dia todo. E do vento que faz carinho na sua pele.
Hoje eu acordei com uma vontade de não te dividir com ninguém. Por isso, estou invejando até sua sombra.

9 comentários:

Cachinno Scriptor disse...

Meu caro Yke. Eu ia fazer um comentário com um elogio, mas, acho que não é mais preciso. Seu trabalho está começando a elogiar-se a si mesmo. Um parabéns, como forma de admiração, já não alcança a qualidade do que você escreve.

Emanuella disse...

Acho que todos elgios que fiz dos textos passados se anulam com essa sua nova inspiração, estou em plena adimiração de verdade, nunca fiquei tão deslumbrada sério mesmo!
(não interprete errado !!!)

Maureen disse...

Sou orgulhosa por ser sua prima! Concordo que "parabéns" é pouco diante desta obra maravilhosa.

Marcela Nunes disse...

Mais um texto cheio de inspiração à flor da pele e lindíssimo. Arrancou-me calafrios novamente. E - por que não? - uma pitada de inveja.

Gabriela Chaves disse...

Nossa, que profundo, que romântico ! Sem palavras pra descrever, muito lindo, adorei :)

Clara Melo disse...

Se eu fosse lúcida, eu te diria "Bobagem, menino"
Mas eu como sou apaixonada, eu digo "que lindo, menino".
Porque por muitas vezes também me sinto assim.

Helena W. Brandão disse...

Ah, que lindo. Que angústia gostosa que é o amor!

Luíza Oak disse...

E pensei a mesmíssima coisa que a pequena Clara: queria eu poder dizer que tudo isso é pura besteira.

Anônimo disse...

Mui bueno!!!!!