domingo, 26 de abril de 2009

Céticos x Sonhadores

Eu sempre me pergunto se esses grandes sujeitos, inventores de grandes coisas, sempre acreditaram no produto deles. Será que eles sempre tiveram uma meta, ou a coisa veio tímida, como quem não quer nada e de repente ele se viu com uma grande invenção?
Baseado nisso, achei um apanhado de frases ou idéias de grandes sujeitos ou de grandes companhias, lá no seu comecinho, que fazendo uma comparação com a atualidade, soam até engraçadas. Isso mostra que na verdade, eles não sempre acreditaram na sua invenção, mas sim, que foi um processo gradual... ou seja, grandes pessoas também são inseguras. É a coisa de confiar no próprio taco.

"640kB devem ser bastantes para qualquer um."
Bill Gates

“No futuro, os computadores não pesarão mais do que 1,5 tonelada.”
Popular Mechanics, prevendo a evolução da ciência, 1949

“Penso que há talvez no mundo um mercado para 5 computadores."
Thomas Watson, presidente da IBM, 1943

"Os raios-X são uma mistificação."
Lord Kelvin, físico e presidente da Sociedade Real Britânica de Ciência,
1900

"O avião é um invento interessante, mas não vejo nele qualquer utilidade militar."
Marechal Ferdinand Foch, professor de estratégia da Escola Superior de Guerra da França, 1911

"A televisão não dará certo. As pessoas terão que ficar olhando para sua tela e família americana não tem tempo para isso."
The New York Times, 18 de abril de 1939, quando da apresentação de um protótipo de aparelho de TV

"Quem imagina que a transformação do átomo possa ser uma fonte de energia está dizendo bobagem."
Lord Rutherford, o descobridor da fissão nuclear, em 1939

"O fonógrafo não tem nenhum valor comercial."
Thomas Edison, inventor do toca-discos, em 1880

"Não existe nenhuma razão que justifique uma pessoa ter um computador em casa."
Ken Olson, fundador da Digital Equipment Corporation, a maior competidora da IBM, em 1977

Os irmãos Lumière, inventores do cinematógrafo e responsáveis pela primeira exibição pública de um filme em 1895, não acreditavam inicialmente que sua invenção tivesse algum potencial comercial.

E essa é para fechar com chave de ouro:

"Tudo o que podia ser inventado já foi inventado."
Charles H. Duell, gerente do Escritório de Patentes dos Estados Unidos, em 1899

Podemos dividir a humanidade então em duas categorias: Céticos e Sonhadores.

Os céticos adoram observar os sonhadores, debocham, apontam erros, põem obstáculos e estão certos que os sonhadores jamais conseguirão.
Alguns sonhadores acabam desistindo mesmo, mas outros não. E graças a esses grandes sonhadores, hoje temos eletricidade, voamos, navegamos na internet, andamos em carros, trens e assistimos um bom filme...
E quanto aos céticos... Bom, eles usufruem de tudo isso, mas continuam seu legado!

Eis a Humanidade :)

3 comentários:

Beto disse...

Posso dizer que estou pegando o pao quentinho, recem assado.
( o que seria uma boa ideia pois ja sao quase nove da manha )
hehe, exelente post yke, agora gostaria de que Marechal Ferdinand Foch realmente tivece certo!
Um abraco e muito sussexo!

Clara disse...

Ainda bem que temos os sonhadores, e por que não dizer os céticos também, afinal, eles também tem sua utilidade.
Não dá pra negar que ler essas frases dá uma coragem a mais, por ver que até para os grandes os obstáculos já foram gigantescos.
O importante é que continuemos sonhando...

Emanuella disse...

Quando estava lendo logo me lembrei de você me dizendo que o 'ubuntu' era melhor coisa que ja existiu, ninguém tinha inventado algo tão bom como ele! ahahaha. Nossa ainda bem que existem os sonhadores se não estávamos perdidos...