domingo, 15 de março de 2009

A Polêmica sobre o aborto


Foi veiculado, recentemente, mais um caso em que uma menina, menor de idade, foi molestada por quem poderia protegê-la.
Em Pernambuco, no Município de Alagoinha, um padrasto, estuprou sua enteada de 09 anos de idade.

Desse ato, adveio uma gravidez. De gêmeos. Sendo que a gravidez era de altíssimo risco. Ou seja, caso seguisse o curso natural da gestação, todos poderiam perecer.

Dessa constatação, na noite do dia 03 de março do corrente ano, a menina sentindo varias dores, tontura e enjôos, foi internada e começou a receber doses de um medicamento para interromper a gravidez. O aborto foi consumado na quarta-feira (4), segundo direção do hospital, sob os cuidados do médico Olímpio Moraes.

Nesse momento, faremos nossa breve análise jurídica:

De acordo com o Código Penal:
Art. 213 - Constranger mulher à conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça:
Pena - reclusão, de seis a dez anos.

Essa, em apertada síntese, são as considerações sobre a questão jurídica, no caso de enquadramento penal. Todavia, gostaria de analisar o posicionamento da Igreja Católica, em relação ao ocorrido.

A situação é a mais execrável possível. Uma criança estuprada pelo padrasto, fica grávida de gêmeos e por uma iluminação divina de nosso legislador, encontra amparo para abortar uma gravidez indesejável, sem cometer nenhum crime.

Os médicos, na sua prerrogativa e amparados pela legislação vigente, executam o aborto com sucesso, e salvam a vida da menina.

Depois de todos os problemas que a família e principalmente ela, enfrenta nesse momento, pois, esta perdeu de uma vez por todas, aquela inocência e a felicidade de viver, e não se enganem meus amigos, às vezes, nem os melhores tratamentos psiquiátricos do mundo, podem reverter esse quadro, por que isso, não deve ser fácil ou possível de esquecer.

Justamente nesse momento que todos os envolvidos estão precisando daquele consolo material e principalmente espiritual, vem à igreja católica, personificado na imagem do arcebispo de Olinda e Recife dom José Cardoso Sobrinho, excomungar todos os médicos, todas as autoridades, todos os vizinhos, parentes, cachorro e papagaio...

Mas por que essa atitude? Pelo fato de terem aquiescido com o aborto, que salvou a vida da menor, e não a obrigou a carregar em seu ventre durante 09 meses, o resultado de uma conjunção carnal forçada de seu padrasto, que pela visão da igreja, esta teria que educar e dar carinho para essas futuras crianças, que teriam justamente, as feições de seu estuprador.

E para o “taradão”? Qual foi o grande castigo da igreja? Foi apenas uma declaração sobre o que foi feito é feio e não se deve mais fazer isso...

Ora, Sr. José Cardoso Sobrinho, porque ao invés de dar total conforto e amor para essa família, faz declarações dignas do século passado. Será que a igreja católica ainda não esta satisfeita com os seguidores que já perdeu por atitudes como essa? Será que temos que correr para outras religiões, para obter o conforto para a alma que procuramos?

Contudo, Sr. arcebispo, vamos falar sobre o grande exemplo que é a Igreja Católica. Vamos falar sobre a pedofilia que ronda a escuridão dos quartos escuros. Tocaremos nesse assunto e verificaremos se na sua visão, qual é o peso e qual seria a medida para ser excomungado. Ou seja, padre molestando menor pode. Médicos, pessoas sérias, que salvam uma criança, têm que ser excomungados por que a Lei de Deus, que foi escrita pelos homens, diz que isso é pecado capital.

Bem, caro arcebispo, saiba de uma coisa. Pode excomungar quem o senhor quiser, isso é uma faculdade que tem a mesma importância que os seus comentários tiveram, dignos de pena.

Garanto que Deus, o verdadeiro, que vive no templo mas sagrado desse mundo, nosso coração, esta do lado da criança e da equipe médica, pois fizeram o que era certo. Portanto, esse tipo de atitude, só comprova o que muitos já perceberam. A Igreja Católica esta por si só, se desmantelando e ficando ilhada, a semelhança do próprio Vaticano, recluso, com suas concepções milenares e preconceituosas.

Antes de terminar, gostaria de comentar a noticia que escutei no jornal nacional, em seu final, a respeito de uma pesquisa realizada pela igreja em relação à degradação da mulher em seu lar. Foram elencadas várias opções, desde as pílulas anticoncepcionais até programas de televisão. Adivinhem quem ganhou? Quem ganhou, por unanimidade, foi à perversa máquina de lavar. Pois, na opinião dos ditos “especialistas”, ela é culpada na seguinte proporção. Enquanto a máquina lava a roupa, a mulher aproveita para viver um pouquinho e tomar um cafezinho com as amigas.

De acordo com a Igreja, elas deveriam estar se arrebentando na pia, e não vivendo em sociedade com suas amigas. Bom, pelo menos, se a Igreja quiser queimar alguma mulher em uma inquisição, existe o telefone dos bombeiros e, hoje em dia, se não estiverem presos no trânsito, eles chegam rapidinho.


P.S = Cordel recebido por email sobre o fato:
Miguezim de Princesa

I
Peço à musa do improviso
Que me dê inspiração,
Ciência e sabedoria,
Inteligência e razão,
Peço que Deus que me proteja
Para falar de uma igreja
Que comete aberração.

II
Pelas fogueiras que arderam
No tempo da Inquisição,
Pelas mulheres queimadas
Sem apelo ou compaixão,
Pensava que o Vaticano
Tinha mudado de plano,
Abolido a excomunhão.

III
Mas o bispo Dom José,
Um homem conservador,
Tratou com impiedade
A vítima de um estuprador,
Massacrada e abusada,
Sofrida e violentada,
Sem futuro e sem amor.

IV
Depois que houve o estupro,
A menina engravidou.
Ela só tem nove anos,
A Justiça autorizou
Que a criança abortasse
Antes que a vida brotasse
Um fruto do desamor.

V
O aborto, já previsto
Na nossa legislação,
Teve o apoio declarado
Do ministro Temporão,
Que é médico bom e zeloso,
E mostrou ser corajoso
Ao enfrentar a questão.

VI
Além de excomungar
O ministro Temporão,
Dom José excomungou
Da menina, sem razão,
A mãe, a vó e a tia
E se brincar puniria
Até a quarta geração.

VII
É esquisito que a igreja,
Que tanto prega o perdão,
Resolva excomungar médicos
Que cumpriram sua missão
E num beco sem saída
Livraram uma pobre vida
Do fel da desilusão.

VIII
Mas o mundo está virado
E cheio de desatinos:
Missa virou presepada,
Tem dança até do pepino,
Padre que usa bermuda,
Deixando mulher buchuda
E bolindo com os meninos.

IX
Milhões morrendo de Aids:
É grande a devastação,
Mas a igreja acha bom
Furunfar sem proteção
E o padre prega na missa
Que camisinha na lingüiça
É uma coisa do Cão.

X
E esta quem me contou
Foi Lima do Camarão:
Dom José excomungou
A equipe de plantão,
A família da menina
E o ministro Temporão,
Mas para o estuprador,
Que por certo perdoou,
O arcebispo reservou
A vaga de sacristão.

( Extraído do eu critico )

2 comentários:

Emanuella disse...

Toda vez que leio ou escuto o caso dessa menina, me lembro do Carlão!Nossa pela data dessa postagem demorei para voltaar! que isso percebi isso hoje tava com falta do eco blog!

beeijos.

oton disse...

o cordelzinho axei legal!