terça-feira, 9 de novembro de 2010

Velho como um fusca

Não quero morrer velho de espírito jovem. Não quero me poupar de nada. Quero rir toda vez que minha barriga quiser doer e chorar toda vez que tiver vontade. Não quero me preservar de desgaste.
Quero destruir todas as amizades que forem precisas para descobrir todos os casos de amor que possam estar escondidos nelas. Não quero evitar nada.
Não quero me acostumar com o sofrimento das pessoas. Nem com o mau-humor de ninguém. Quero viver amando e me decepcionando. Quero todas as decepções que eu puder ter. E que cada decepção não diminua, mas reerga meu amor.
Quero aprender tudo que eu conseguir. E ter a certeza de que cada aprendizado novo me abrirá uma infinidade de outros tantos, que eu também desejarei aprender. Não quero me privar de nenhum desejo.
Não quero chegar velho sem arranhão na lataria. Quero velhice com amassado, banco rasgado e sem estofamento.
Não quero morrer velho de espírito jovem. Quero morrer um fusca bem antigo, com a porta empenada. Que cada batida defina a nova sinfonia. Quero dançar ao som da orquestra de uma porta empenada. E tropeçar todas as vezes que minhas pernas enroscarem nas tuas.
Quero morrer um fusca velho. E com a alma calejada.

7 comentários:

Anônimo disse...

clap, clap, clap...

Discurso libertador e libertário.

Faça tudo o que quiser, Yke... tudo que tiver vontade
alcance tudo que seus olhos desejarem
e aprenda, aprenda mesmo.
Reflita, considere todas as coisas.
E não se esqueça das pessoas, não se esqueça dos que te amam...
Não faça nada que magoe alguém que tem por vc amor...

larissa disse...

Oi, eu sou sua fã, beijos! rs :)

RODRIGO BARROS disse...

Caríssimo, excelente abordagem. Não acredito que devamos levar a vida como se ela fosse um imenso ferro velho, nos quais "despejamos" aqueles pequenos objetos/pessoas que nos aparecem pela frente e que apesar de não serem do nosso interesse, acabam formando a estrada da nossa vida. Afinal, são esses pequenos percalços(se comparados ao conjunto da obra)que nos fazem aprender a guiar na longa estrada da vida.
Entendi sua metáfora, mas peço que pense o seguinte: O Fusca foi considerado o melhor carro brasileiro por mais de 40 anos. Mas até para o Fusca o tempo passou! Já era! Mesmo amassado e calejado! Mudou de ares, de "roupa", se renovou e revigorado virou até bugre...
Pense como foi melhor a evolução, não digo só no caso dos veículos, mas a humanidade como um todo.
Então, saia de dentro dessa "carcaça" e encare a vida de frente! E se um dia sofrer arranhões ou amassados, esses deverão ser incorporados por você como medalhas de honra ao mérito. Recebidas por quem ali esteve e viveu intensamente!
E lembre-se: Velho como um fusca que em breve se transformará em bugre! Saudações...

Beto Passeri disse...

"Não se trata de 'suportar' morte ou 'aceitá-la' pois isso seria trair a vida. Trata-se de morrer no momento certo.
A morte perde seu terror quando se morre depois de consumida a própria vida. Caso não se viva no tempo certo, então não se conseguirá morrer no momento certo" - Fritz, um amargurado filósofo alemão qualquer.

Yke Leon disse...

Beto Passeri,
essa idéia de morrer 'no momento certo' estará eternamente atrelada a infelicidade. Veja, não se é possível saber quando e de que forma a vida foi enfim consumida, logo, não se saberá nunca o momento certo de morrer. Assim sendo, toda morte será o momento errado, e mais, será também a possibilidade de não ter consumido a vida como deveria. Infelicidade dupla.
Mas tudo se explica quando falamos de alemães, não é verdade?
Sobre a morte, a melhor citação para mim é da avó do José Saramago: "Não é que eu tenha medo de morrer, tenho pena. A vida é tão bonita e tenho pena de não mais estar viva para ver todas essas coisas."

Yan Duffs disse...

"Quero dançar ao som da orquestra de uma porta empenada. E tropeçar todas as vezes que minhas pernas enroscarem nas tuas."

Tenho exatamente a mesma vontade, quero viver e simplesmente reviver a cada dia. Adorei o texto e o blog como um todo parabéns. Esbarrei com seu blog ao acaso e não me arrependi, estou seguindo e vou colocar nas indicações do meu se puder de uma lida lá. Abraços. Espero sua visita.

Jessy Rodrigues disse...

Basta querer viver e ponto!
Com riscos
Com amor
Com esperança
Sem medos!!

BeijosEstalados!